MAIA SEM ALÇA

Engraçado como tem gente que persiste na inglória missão de tentar nos convencer de que a culpa pelo flagra ao Ricardão é sempre do sofá. Deve ser a mesma preguiça criminosa que move os chamados conservadores que, por serem conservadores, somente precisam conservar. Dá menos trabalho do que tentar mudar as coisas, até porque normalmente se é conservador porque ‘tá bom, tô bem, então que se dane’.

A última pérola (que já deve ser a penúltima, tem mais de meia hora que não me atualizo) saiu da boca do presidente da Câmara dos Deputados, que considera, creio que sem muito compromisso com valores como honestidade e senso crítico, que a justiça trabalhista é a grande culpada pelos milhões de desempregados brasileiros. Seria pra rir, mas o choro sempre vem antes.

Lembrei-me que o pai do cidadão foi condenado por improbidade administrativa (essa expressão tem vários sinônimos), consta que ele próprio figuraria na lista de uma tal Odebrecht e tem muitos coleguinhas com passado e presente tenebrosos, cujas ações apequenam o meu país, sua imagem lá fora, suas finanças, a qualidade de vida e a autoestima de meu povo. Mas o desemprego fica por conta da CLT.

A solução, então, é atacar a justiça trabalhista e respectivos tribunais, que ‘nem deveriam existir’. Vira e mexe a bancada do boi é flagrada com fazendas-senzalas, algumas grifes de pessoas de bem adoram trancar bolivianos em suas oficinas de fundo de poço, mas o ilustre pralamentar acha que o mercado se autorregula e que a existência da CLT é um retrato do atraso nas relações trabalhistas.

Interessante que quando abre a boca pra falar besteira ele sempre faz aquela cara de quem acaba de levar uma dedada . Deve ser ato falho.

Esta entrada foi publicada em Acessibilidade e Cidadania. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *