PEQUENA CISMA

Nos meus idos e não tão saudosos tempos de auditor, minha Regional dispunha de um profissional que atuava na supervisão e produção da área de TI, que vem a ser, em bom português, Tecnologia da Informação. Um neologismo legalzinho para o Windows e alguns bacalhaus que usávamos no dia-a-dia. Pau pra toda obra, Mauro era quem eventualmente criava pequenos programas e macros sobre dados que fornecíamos e que serviam de base para a realização do nosso trabalho.

Como todo bom ‘micreiro’ (quer arrumar encrenca com um profissional de TI? Chame-o assim), o cara é bonachão, praticante do deboismo, fã de matemática e tarado por novidades eletrônicas. Enquanto em nossas estações de trabalho tínhamos um notebook, um copo com água e uma porrada de processos, sua estação parecia um carro alegórico, com hd externo, sistema de som 7.1, webcam em formato de dinossauro e sempre a última palavra em programas de edição de vídeo. Também manda bem no powerpoint, o que pode lhe garantir certa moral com o MP.

Um dia ele chegou com uma novidade a que chamou mega-blaster, mas não contou o que era. Só me falou: “negão, pega o celular e liga aqui no meu ramal”. No que tentei entrar no clima da brincadeira, observei que meu celular estava sem sinal. Então ele abriu o jogo e mostrou seu bloqueador de sinais, que funcionava num raio de sei lá quantos metros, o suficiente para que seus alunos (ele é professor de matemática à noite numa faculdade) deixassem de lado suas maquininhas do capeta e prestassem atenção à aula. O detalhe é que a engenhoca foi comprada por R$ 80 no camelódromo.

Uma perguntinha não quis calar: se com um ‘made in China’ o cara consegue bloquear o celular de seus alunos, qual a dificuldade de fazer o mesmo nos presídios?

-o-

O irmão de uma conhecida minha não é propriamente um candidato a santo. Vira e mexe é encanado por pequenos delitos e numa situação dessas se deu um fato que chegou ao meu conhecimento: sua esposa atendeu ao telefone e era ele, do presídio conhecido como Casa de Prisão Provisória, para avisar que tinha sido pego mais uma vez. Passou o número do telefone e pediu para colocarem crédito.

Na verdade o aparelho pertenceria a um PM que servia no local e defendia algum com locações da espécie. Teria sido o mesmo que cobrou pelo colchão que não havia – e deveria haver – na cela, então na primeira visita sua esposa teve que levar uma graninha para o ilustre servidor público. No caso dele o aparelho objeto desse contrato informal de leasing serviu somente para comunicação com a família, mas disse que viu ‘coisa feia’ acontecendo com seu uso. Preferi não perguntar o que seria essa tal coisa feia.

-o-

Minha burrice crônica não me permite afirmar nada, mas às vezes parece que as duas situações aparentemente distintas que relatei podem ter alguma relação.

Mas deve ser paranoia.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *