UMA PERDA E VÁRIOS DANOS

Era um sábado qualquer, Lucas iria à festa de aniversário de um dos muitos amigos no quiosque do próprio condomínio e em seguida partiríamos para outra festa, em Anápolis. Também aniversariava sua tia e madrinha Simone, e combinamos de comemorar com a família e amigos no restaurante do Chef Lúcio, meu cunhado.

Chegamos por volta das oito da noite, e logo em seguida Lucas recebeu a notícia da tragédia: outro amigo residente no condomínio, o Batata, havia despencado do 16º andar. 

Não conseguimos dormir direito aquela noite. Além de ter sido uma morte horrorosa, tínhamos muito carinho pelo moleque, que até cerca de dois anos atrás vivia lá em casa. Depois disso sumiu, eu mal o via no prédio e soube que passou a viver recluso, a ponto de um dia expulsar de casa os amigos-vizinhos que foram lhe fazer uma visita. Nunca mais o vi na quadra com os outros garotos.

Voltamos para casa domingo depois do almoço e fomos, Eliana e eu (Lucas estava chocado demais) até o cemitério onde se realizava o velório. Ante a impossibilidade de dizer algo de útil aos pais, nós nos limitamos a abracá-los em silêncio. Em seguida, retornamos.

A morte tem o dom de me fazer sentir abandonado. Fiquei remoendo aquele misto de tristeza e incredulidade pela perda de uma vida que ainda não tinha completado 14 anos, mas o dia amanheceu e era segunda-feira, tentei me manter o mais ocupado possível buscando em vão focar o pensamento em meus afazeres.

Às cinco da tarde apanhei Lucas no colégio e notei que ele entendeu que prosseguir é obrigatório. Agora há pouco ele desceu para a área de lazer e se juntou com a galera. Fiquei surpreso ao ver a imagem daqueles meninos e meninas sentados no chão do quiosque onde foi a festa de sábado, em círculo. Deu vontade de descer e falar alguma coisa para essa garotada recém-chegada ao planeta e já tendo que enfrentar essa realidade agridoce, mas achei melhor recolher o trem de pouso e respeitar a homenagem que faziam ao amigo Batata, era o momento deles. Soube depois que alguns adultos estavam lá, ajudando a digerir aquela catarse coletiva, e fiquei agradecido porque o mais importante havia sido dito: ninguém é culpado.

Para cego ver: imagem da área de lazer do condomínio onde eu moro. Ao fundo, sob um telhado, os meninos sentados em círculo buscando entender a tragédia.

Já me passou pela cabeça me mudar daqui, ir para uma casa com quintal, cachorro e churrasqueira, mas não ouso privar meu filho da companhia e convivência com essa turminha tão unida e quase sempre feliz.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *