VIRA-LATAS

“Nenhuma desculpa é necessária”. Esses garotos vieram se divertir, competiram sob enorme pressão. Existe uma investigação. Vamos dar um tempo para esses garotos. São atletas magníficos. Lochte é um dos maiores do mundo.”

Tão brilhantes, educativas e edificantes palavras partiram da boca do Sr. Mario de Andrada, diretor de Comunicação da Rio2016 e, nas horas vagas, baba-ovo de americano.

A história é a seguinte: o tal Lochte e outros dois ou três atletas da natação ianque saíram para a balada, na volta para a Vila Olímpica por algum motivo passaram num posto de gasolina, também por motivos desconhecidos se desentenderam com pessoas dali e começaram uma operação de destruição do local, só se safando após pagar pelos prejuízos que provocaram. Funcionários disseram aos órgãos de imprensa que eles estavam devidamente mamados.

Ocorre que, contando com a sempre prestimosa colaboração de vira-latas complexados do lado de cá, inventaram uma historinha-clichê de assalto ao taxi que ocupavam, para justificar o fato de terem chegado para dormir completamente duros e já com dia claro. Imagens gravadas de câmeras da vila mostraram sua chegada, cada um com seu celular à mão, relógios no pulso, andar meio trôpego e aparentemente nenhum abalo psicológico pelos ‘momentos de terror’ que tinham vivido. Nossos assaltantes terceiro-mundistas andam meio decadentes. Onde já se viu assaltar gringo e não notar que havia celulares, óculos ray-ban e relógios para levar pro barraco?

De quebra, os atletas magníficos só resolveram prestar queixa umas 10 horas depois. Provavelmente acharam que nossa polícia seria algo como um Sargento Garcia dos filmes do Zorro e iria aceitar sua versão sem desconfiar de nada. Ledo Ivo engano.

Resumo da ópera bufa: a história do assalto era caô e três dos elementos foram impedidos de embarcar de volta à civilização, tendo sido conduzidos, para desespero da alegre galera da Rio2016, de volta à delegacia. 

Então a coisa agora ficou meio esquisita pra quem acha que o Brasil é uma terra sem leis, porque achei um artigo do Código Penal que define bem a cagada dos carinhas:

Art. 340 – Provocar a ação de autoridade, comunicando-lhe a ocorrência de crime ou de contravenção que sabe não se ter verificado:
Pena – detenção, de um a seis meses, ou multa.

Claro que nem a multa vão precisar pagar, porque são rapazes bem-nascidos da metrópole, mas pelo menos já passaram alguma vergonha. A galera do COB vai livrar a cara deles e, ao chegar aos States, é provável que vão dar entrevista ao USA Today ratificando o que já disse hoje uma repórter de lá: exagero.

Olhando pelo lado do pretenso exagero, acabei me lembrando de dois fatos que foram considerados normalíssimos lá na terra deles.

O primeiro caso ocorreu em 2004 no aeroporto de Miami, onde os brasileiros Mizael Cabral e seu amigo Daniel Correa, de 27 e 29 anos, cometeram a suprema imprudência de falar a palavra “bomba” no momento em que sua bagagem era revistada. Falaram brincando, foi constatado no local que não havia bomba nenhuma, mas foi suficiente para serem detidos. A brincadeira lhes rendeu dois meses e três dias de cana em presídio federal.

O segundo caso envolveu o também brasileiro João Neto, que em junho de 2015 viajou a Houston, Texas, para visitar a filha. Ocorre que resolveu depositar alguns dólares adquiridos numa agência do Banco do Brasil de Recife, que foram identificados como falsificados. As autoridades americanas desceram o cacete, pai e filha sofreram durante cerca de 10 dias um pesadelo horrível, até que o BB finalmente reconheceu formalmente que era responsável.

Mas a repórter do USA Today acha a atitude das autoridades policiais brasileiras exageradas.

Os caras nascem, crescem e ficam velhos sob a mesma doutrina de superioridade, então essa questão cultural deles que acha normal até promover guerra no país dos outros me irrita, mas eu convivo com isso. 

Já o complexo de inferioridade, essa mentalidade pequena de colonizado que orienta o pensamento de cretinos como esses da Rio2016 me entope os culhões. 

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a VIRA-LATAS

  1. Simone disse:

    Parabéns pelos textos, Rogério, sempre verificando com olhos atentos o outro lado da realidade!

  2. Cristiano disse:

    Falou e disse!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *