SÓ PARA OS COMUNS DELES

O título é meio estranho, mas explico: tenho um vizinho de muitos anos que já morou nos States e há coisa de um ano ou dois foi-se para a Inglaterra trabalhar. Diz que não compensa trabalhar no Brasil, então deixou a família por aqui e foi se aventurar na terra da rainha.

Há três semanas eis que o encontro no empório do bairro. Papo vai, papo vem, pergunto se voltou por obra do Brexit e ele diz que não, só veio ver a família e pretende retornar ano que vem. Como eu estava meio apressado, comentei que tinha ido comprar uns chocolates e biscoitos para o Lucas se divertir durante o ENEM e precisava voltar logo pra casa. Foi quando começou o febeapá em versão não divertida, porque o cidadão parece ter voltado atacadão da Europa. 

“Pois é, se o Bolsonaro for fazer o ENEM com o Lula e a Dilma, termina a prova uma hora antes de eles começarem, e ainda assim vão roubar o gabarito”. Estranhei a gratuidade do comentário, o assunto era a série B do campeonato brasileiro, mas a metralhadora estava disparada: “O Wagner Moura, aquele comunista, tá morando em Los Angeles, logo ele que é comunista e detesta americano, tinha que ter ido pra Cuba”. Lembrei a ele que o ator e diretor brasileiro tinha sido convidado por um produtor a trabalhar por lá e não foi a primeira vez (detesta americano, onde você leu isso?), o que significa que ele é bom no que faz e motivo de orgulho para nós, já que direta ou indiretamente ele vai promover nossa cultura.

Pra quê! “Cultura é coisa de vagabundo, comunista, esse povo só quer mamar na Lei Rouanet, trabalhar que é bom, neca!”. A boca do cara ruminava um misto de baba e ódio, fiquei impressionado.

Avaliei os prós e contras, a balança não ficou muito equilibrada mas resolvi arriscar a pergunta mesmo assim: o que você entende por comunismo? “Comunismo é (sic) aqueles caras que só fazem as coisas para os comuns deles.” Então tá.

Claro que naquele momento o bom senso me implorava para ir embora, mas antes sugeri a ele que não voltasse para Londres, afinal o momento é bem propício ao combate ao comunismo e à vagabundagem no nosso país que agora voltou aos trilhos, e ele poderia se tornar um soldado essencial. Parece que ele não entendeu a ironia e se despediu com um sorriso.

Cheguei em casa meio esbaforido, meio estarrecido. Botei o Lucas e a namorada no carro e zarpamos para a universidade onde fariam as provas. 

Não pude deixar de comemorar intimamente o fato de que meu filho é estudioso.  

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *