QUEM?

Eu sou péssimo fisionomista. Já me abraçaram na rua, perguntaram sobre minhas filhas, meus planos de futuro pós-aposentadoria e eu no máximo sabia que conhecia a pessoa mas não me lembrava de onde, sequer o nome da criatura.

No mais das vezes isso me rende momentos de sufoco e constrangimentos, mas já ocorreu de também rolar frustração nesse caldo. Um bom exemplo disso teve lugar em Congonhas, há uns quatro anos. Minha ida a Sampa fazia parte de algo já tradicional, um encontro anual com amigos numa espécie de filial do paraíso denominada Mr. Jack’s, no Shopping Pátio Paulista, ocasião em que aproveitávamos para botar as fofocas em dia, a tristeza pra fora e o chope pra dentro. Como já havia um bom tempo que não via minha filha, que morava no Rio, convidei-a para participar da farra. Só que cheguei no aeroporto quase duas horas antes da previsão de chegada dela, então fui fazer um lanchinho básico enquanto esperava a aterrissagem de seu teco-teco. 

Dei sorte de encontrar uma mesa vaga, a última naquele momento. De repente, um cara se aproxima e me pergunta se eu permito dividir a mesa com ele. Claro, por que não? De imediato vi que aquele rosto não me era estranho mas, enfim, relevei. Na época eu viajava sempre em companhia de meu violino, o cara viu e puxou conversa sobre música. O instrumento induziu a falar sobre os Beethoven da vida, meu novo amigo demonstrou conhecer muito de música erudita, mas depois que contei a ele que adoro tocar o Sabão Cracrá ao violino o nível da conversa retornou à zona de conforto. Disse que seu nome era Marcelo, mas a vergonha me impediu de pedir sobrenome e qualquer outro detalhe que finalmente me levasse à identidade dele.

Pedi mais dois chopes, ele exigiu pagar os próximos. Gente boa. Já estávamos à beira do fim do ano e ele falou sobre a possibilidade do Nobel de literatura para Olga Tokarczuk, que eu solenemente ignorava mas a tal vaidade me impediu de reconhecer, e concordamos com a torcida para Ana Paula Maia para o prêmio literário do mesmo ano no nosso microcosmo. Quando li que ela tinha faturado o prêmio, lembrei-me de meu amigo até então anônimo.

De repente minha filha chegou e, já cansado e ligeiramente mamado, eu queria mesmo era ir para o hotel. Despedi-me de meu amigo e seguimos para o ponto de taxi do aeroporto. Nunca mais o vi, pelo menos pessoalmente.

O encontro com meus amigos de fé ocorreu conforme o esperado, com muita alegria, camaradagem e carinho. Retornamos para casa, minha filha e eu, no dia seguinte. 

Aí passa o tempo e recebo pelas redes sociais um link. O efeito foi devastador, primeiro porque me deixou maravilhado com a qualidade do clipe, depois porque reconheci meu amigo do aeroporto. Sim, fiquei frustrado. Ao acompanhar Marcelo Jeneci no clip percebi o quanto me foi negada (por mim mesmo) uma interação, um melhor direcionamento da discussão sobre cultura popular, sobre política, sobre tudo. Fiquei também um pouco aborrecido com ele, por não ter se identificado como o grande artista que é, mas considerei a possibilidade de ele preferir manter a humildade. O que é um direito, vá lá!

 

Publicado em Sem categoria | 8 Comentários

MONSIEUR LE DOCTEUR

Ao final de tantas viagens pelo interior do Estado, chegamos a um ponto em que a única alternativa era esperar. Torcer e esperar. Foram quatro ou cinco vestibulares que o moleque enfrentou, com esperança, fé e determinação, e eu notava que ele a cada dia sentia o baque, demonstrava cansaço, mas os olhos brilhavam. O corpo padecia, mas a alma nunca foi pequena.

O primeiro resultado foi algo próximo de uma batida na trave, no segundo ele perdeu de goleada e o terceiro se caracterizou por uma correção ridícula da redação e uma nota abaixo do que eu achei que merecia. O suficiente para ele também não passar. De repente fiquei com medo de que o desapontamento que lhe estampava o rosto se tornasse algo mais preocupante.

Mas o cara escolheu medicina, né?, um funil dos infernos, e eu fui evitando aquela clássica argumentação derrotista “todos que eu conheço tentaram durante anos até conseguir passar”. Até cheguei a usar essa ladainha, mas sei que com ele isso não funciona, e também não vejo esse tipo de indecência com bons olhos. Equivale ao tal “entregar pra Deus”, não rola.

Ainda faltava fazer as provas da UnB dali a cerca de um mês e estava mais ou menos na época de sair o resultado do vestibular de Goiatuba, então a poeira foi assentando aos poucos até não haver mais sinais de tensão. Os dias foram passando, eu estava no supermercado quando veio a ligação. Vi que era ele e imaginei que queria me lembrar de comprar os tradicionais porcaritos. Demorei para perceber que era uma ligação de vídeo, ele tentava me mostrar a tela do computador com o resultado do vestibular da Unicerrado. O momento era de festa e a ficha não caía, ficar velho às vezes é um fardo meio triste.

Unicerrado é uma universidade particular sediada na cidade de Goiatuba-GO, a 170 km de Goiânia. Quando Lucas foi prestar o vestibular lá, era também nossa estreia na cidade. Achei uma gracinha, limpa, bem sinalizada, com os meios-fios pintados e alguns botecos muito interessantes. Foram seis horas de prova, Eliana e eu aproveitamos para dar um giro pela pequena cidade de 34.000 habitantes, que ainda não tem shopping center e aparenta não ter os problemas de segurança que enfrentamos nos grandes centros. Passeamos pelas ruas principais, paramos para um sorvete e pudemos observar que, apesar de pequena, a cidade conta com um comércio bem variado e ativo, com grandes lojas de rede – poderia ser melhor, diz Eliana -, alguns restaurantes interessantes e pessoas tranquilas nas ruas.

Eu via na tela do celular o indicador do moleque mas a imagem não estava nítida, só o ouvia dizendo “passei, véio, passei!”. O alarde foi tal que as pessoas que dividiam comigo a fila para pesar os hortifruti entraram na comemoração, e mesmo na fila do caixa de vez em quando eu olhava para trás e pagava o delicioso mico “meu filho vai ser médico”.

Aquela noite foi meio estranha. Já eram quatro da manhã e eu, excitado, resolvi fazer um plantão boêmio regado a vinho (malbec argentino, naturalmente). Não sabia ao certo como lidar com aquele misto de euforia e medo (sim, eu vi o valor da mensalidade), mas preferi deixar que a euforia prevalecesse, o resto a gente resolve. A gente sempre resolve, né?

Publicado em Sem categoria | 1 Comentário

CISMAS

O pessoal não é dado a deixar comentários registrados neste cafofo, mas de quando em vez sou abordado por outros meios para fins exclusivos de levar esporro pelo que escrevi. Acho graça e tento compreender, é divertido tentar. Até telefonema recebi após publicar ‘Vade Retro Religio’, não imaginei que a celeuma fosse chegar a tanto. “Aquilo que você escreveu… rapaaaaaz!…”.

Herege sem conserto ou uma alma atormentada precisando ser salva? A maioria me chama mesmo de ateu, ainda que eu não tenha lá muita ideia do real significado disso. Ariano Suassuna gostava de contar a história de Galdino, figura conhecida de Taperoá na sua Paraíba natal, que ficava ‘danado’ se alguém dissesse que era ateu. “Dizem que eu não acredito em Deus, isso é mentira. Eu acredito, só não simpatizo muito com ele”.

É bem possível que eu siga a mesma linha de Galdino. Nunca soube também, com um mínimo de exatidão, o que significa agnóstico, mas admito que jamais me dei ao trabalho de estudar os comportamentos, verdades, vicissitudes ou o que seja necessário para compreender o que leva as pessoas à necessidade desse tipo de devoção, que não raro redunda em extremos violentos. Sabia que era algo ligado à religião, coisa que nunca figurou no meu espírito como algo importante pra passar de ano. Alguns séculos antes esse meu comportamento faria de mim a picanha da vez naquelas fogueiras de purificação.

Durante minha infância as beatas da vizinhança me olhavam com um misto de repúdio e extrema curiosidade diante das bombas que eu jogava em forma de opinião, mas o que de fato lhes causava espanto era o fato de eu ser absolutamente contrário à violência e às brigas de rua – comuns aos garotos de 10 anos da comunidade de então -, estudioso, bom aluno, disciplinado e avesso ao uso de palavrões, exatamente o contrário do meu irmão 11 meses mais velho que era coroinha. Mas eu dizia sem pudores que achava missa uma coisa ridícula, então meu destino estava traçado na mente daquela gente.

Já na idade adulta, durante um treinamento teórico na empresa, a instrutora-psicóloga convidou os presentes a declararem o que pretendiam dizer a Deus no ‘momento do grande encontro’. A maioria ficou no lugar-comum do tipo ‘eis-me aqui, Senhor, seu servo pecador etc etc etc’, mas me lembrei que o mundo estava em guerra, Saddam era caçado em todo canto, crianças morriam de inanição na Áfica e nos sertões do meu país e, na minha vez, tasquei um ‘vai começar a se explicar agora, ou quer tomar um chopp antes?’. O tempo fechou e a brincadeira acabou ali. Democraticamente.

Mas, enfim, é isso: não é que eu não acredite, o fato é que não confio no deus dessa gente. Cruel, preconceituoso, rancoroso, vingativo, orgulhoso, carente, vaidoso e, sobretudo, incompetente. Tipo ‘eu sou ótimo e infalível’, aí você dá uma olhada em volta e vê uma merda de mundo já em adiantado estado de decomposição, se pergunta ‘que porra é essa, cadê o deus fodão?’ e recebe de resposta algo como ‘não nos cabe questionar os desígnios do Senhor, é o livre arbítrio’, como se as erupções do Etna e a falha de San Andreas também fossem culpa minha. De quebra ninguém explica a contradição entre a consagrada verdade absoluta ‘não cai uma folha de árvore sem a permissão de Deus’ e o tal livre arbítrio. Onde exatamente se encontrariam essas duas paralelas?

Quando as pessoas finalmente perceberem que nunca-jamais-em tempo algum falei do Deus delas, mas apenas delas, talvez passem a respeitar um pouquinho meu ponto de vista.

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

TEMPO REI

Claro que os sintomas foram se apresentando sistemática e moderadamente, mas pelo jeito eu não estava muito a fim de levá-los a sério. Começou com o pedido do aparelho de barbear emprestado, acabei comprando um somente para ele, mas a ficha parece que ainda estava volitando na minha frente, não caía.

Também encarei com absoluta normalidade quando, no boliche, ele pediu sapatilhas 43, afinal já fazia algum tempo que era mais alto do que eu. Bem mais alto, aliás.

Ainda hoje nos divertimos, Eliana e eu, repetindo palavras sem nexo que ele costumava falar quando tinha lá seus dois ou três anos. Acho que vai um pouco de saudade do tempo em que o tínhamos sob nossas asas poderosas e infalíveis, hoje ele está a cada dia mais solto, livre, senhor de si. Evidente que o criamos para ser assim, mas dói.

A novidade mais recente foi a namorada, uma teteia que me deixou orgulhoso de seu bom gosto, mas que também fez apitar o alarme da velhice, da vida que segue, do progresso inadiável daquilo a que chamamos tempo. De repente me pego falando sobre política ou filosofia com uma recém ex-criança e o cara, com seu um metro e oitenta e tals, já se sente credenciado a reivindicar uma cama melhorzinha, o que me põe a avaliar se não é hora de um quarto melhorzinho também.

O moleque que queria ser bombeiro e salva-vidas de piscina hoje tem bem sedimentada a opção pela medicina, que vai tentar em janeiro ou fevereiro do ano que vem, a depender do andar da carruagem da pandemia e dos restos do que foi um dia o Ministério da Educação deste país à deriva.

Ele já cresceu muito e quer continuar crescendo em outros sentidos, todos eles, sabe que tudo ao redor exige muito mais do que exigiu de mim quando tinha sua idade. 

Ontem nos demos o direito a uma espécie de rebeldia contra a disciplina algo rígida a que nos impusemos nestes tempos de isolamento e aportamos num foodtruck a poucos metros de nosso prédio. Um sanduba de responsa brindou o restinho de sábado com alguma leveza, parece que nossas almas ansiavam por algo do gênero. Falamos sobre viagens, lembramos os lugares que já visitamos e ele citou seu fascínio pelo Canadá, onde ainda não estivemos.

Fui para a cama algo incomodado, por realizar que esses momentos de gostosa interação vêm rareando ultimamente. Claro que o dia-a-dia de estudos e trabalho nos rouba muitas oportunidades, mas somos pai e filho com uma história gostosa demais para permitir a normalização de qualquer formalismo ou distanciamento entre a gente. Como a mãe dele estava em viagem, temos um ótimo pretexto para em breve incluí-la na repetição do programa, naquele ou em outro lugar, para celebrar essa atmosfera que sempre nos envolveu aos três e nos faz assim, unidos e queridos um do outro.

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

LA CARTA MALEDETTA

 

“Bem-vindo à administradora do seu cartão. Se você deseja isso, digite 1, caso queira aquilo, digite 2” 

“Digite o número do seu cartão com 16 dígitos”

“Digite o ano do seu nascimento com quatro dígitos”

Digite o dia do seu nascimento com dois dígitos”

Digite os quatro últimos números do seu CPF”

Tum… tum… tum”

                           (…)

“Bem-vindo à administradora do seu cartão. Se você deseja …”

“Observamos que o cartão digitado é novo e se encontra bloqueado; caso queira solicitar o desbloqueio, digite 5; caso tenha recebido o cartão sem tê-lo solicitado, digite 6 para falar com um de nossos atendentes”

“Seis. Infelizmente não conseguimos validar seus dados, observe os números digitados e tente novamente tum… tum… tum”

                            (…)

Não digo qual é o banco, porque tenho muito carinho por ele. Mas essa história já tem cerca de seis meses, e começou com um alerta que recebi via sms num sábado à noite, que dizia algo assim: “Compra não autorizada, entre em contato com a Central de Cartões”. Agradeci aos deuses do Olimpo por não ter sido autorizada a transação, porque vi que era uma tentativa fraudulenta decorrente de um provável crackeamento do meu cartão. A Central de Cartões providenciou o bloqueio do meu cartão, a reemissão e envio de um novo. Beleza.

Ocorre que eu moro numa cidade chamada Goiânia que, penso eu, não é muito amada por carteiros e demais profissionais que precisam de endereços oficiais para realizar seu trabalho. A questão é que o cadastro da prefeitura estabelece um padrão de endereço com rua, quadra e lote, já na conta de energia esse mesmo ponto específico do planeta vem com rua e número. Isso sem falar das variações sobre o mesmo tema, em que o que era rua vira avenida e não raro o cadastro da prefeitura indica Rua Pelé e os demais citam um certo Edson.

Deve ser motivo de orgulho para a Câmara de Vereadores pelo menos, porque ninguém por aquelas bandas nem no Paço Municipal parece se incomodar com o fato de o mesmo logradouro atender pelas alcunhas de Rua 83, Avenida 83 e Rua Henrique Silva. Sim, Setor Sul de Goiânia, vejam aí no Google Maps. 

Pois bem: para finalizar meu atendimento a Central de Cartões do tal banco me pediu para informar verbalmente (“para sua segurança esta ligação está sendo gravada”) meu endereço completo. No que informei rua e número, a mocinha me disse que os dados não conferiam com seus registros. Então eu perguntei se o padrão dela inclui rua, quadra e lote e ela me respondeu que, por segurança, não poderia me dar aquela dica. Lembrei a ela que antes de travarmos aquele animado colóquio eu tinha passado por agradáveis dezenas de minutos atendendo às determinações de um robô, tendo digitado meus dados para identificação no sistema, donde não se justificava travar o atendimento ‘por questões de segurança’.

Não teve jeito: para solução do impasse eu precisaria ir até uma agência munido de meus documentos e um comprovante de endereço para realizar minha atualização cadastral. Ponderei que já há alguns anos o guarda não me deixa passar pela porta giratória, porque alguém da gerência disse a ele que tudo pode ser resolvido pelas maquininhas estacionadas na sala de autoatendimento e ele, como bravo soldado que é, barra a mundiça petulante que acha que pode chegar e ir entrando. Ela, então, me deu a opção de enviar meu comprovante de residência via internet. Assim o fiz, tendo recebido do site do banco a informação de que em até 72 horas a alteração seria processada. Ô, Gloria!

Passadas as tais 72 horas, entro no site e verifico que não havia mais a informação de processamento pendente. Então, serelepe, telefono para a Central de Cartões para solicitar que meu novo cartão de crédito fosse, finalmente, desbloqueado. As decepções que meu exacerbado otimismo às vezes tem que enfrentar ainda vão me mandar para o IML, fato é que a mocinha (depois das gravações, claro) me disse que meu endereço estava desatualizado e, por isso, não poderia comandar o envio do cartão. Informei que tinha feito a atualização e fiquei sabendo que deveria tê-lo feito via App, não no site. Sim, porque em que pese o banco e a administradora do cartão terem o mesmíssimo nome e adotarem a mesmíssima logomarca, são na verdade empresas distintas cujos sistemas não se falam. Achei normal.

Uma vez vencidos esses pequenos embaraços burocráticos, aguardei a chegada do novo instrumento de consumismo. Chegou, bonitão, pretão, cheio de marra com aquele aspecto de requinte que eu fiquei me perguntando se de fato merecia. Liguei para a Central de Cartões para solicitar o desbloqueio.

“Bem-vindo à administradora do seu cartão. Se você deseja…”

“Informamos que o cartão digitado foi cancelado. Digite 9 para falar com um de nossos atendentes”

A esta altura minha paciência começava a dar sinais de cansaço. O rapaz que me atendeu disse que o sistema informava que foram realizadas três tentativas de entrega do cartão no meu endereço, mas que por falta de alguém no local para recebê-lo ele foi devolvido à origem e cancelado.

Dois detalhes conflitam com a versão oficial do sistema: a) moro num condomínio com portaria 24 horas. Por essa portaria eu recebo com regularidade correspondências diversas, contas de energia elétrica e gás, sandubas do iFood, propagandas da legítima brazilian wax, folhetos com ofertas de supermercados, mas o banco alega não conseguir me entregar um mísero cartão de crédito; b) apesar de o banco ter tentado me entregar em três oportunidades sem sucesso, o cartão está aqui comigo, recebido na primeira tentativa.

Dããã!

A encrenca chegou a tal ponto que bateu um misto de cansaço e preguiça,  fazendo com que a opção ‘deixa pra lá’ passasse a comandar as ações. Então, já tem tipo seis meses que só utilizo o cartão de crédito de outra instituição. O interessante é que minha fatura, que invariavelmente me cobrava mensalmente alguns milhares de reais, passou a vir zerada e ninguém do tal banco entrou em contato comigo para saber o motivo.

Vai ver ainda não notaram.

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

VADE RETRO, RELIGIO!

Já na adolescência tive meus primeiros contatos com a imposição de certo sentimento de culpa, por não gostar de hóstia nem de dizer amém. Sempre achei chato e pouco inteligente passar pano para aquelas historinhas mal contadas naquele livrinho mal escrito por homens que estavam longe de serem santos. Reconheço que me faltava boa vontade – ou sobrava preguiça – para tentar pelo menos me integrar à turba, porque o tal senta-levanta-agacha-ajoelha das missas era para mim um martírio tragicômico.

Percebi que minha rebeldia não era acompanhada por valentia, pois raramente opinava ou permitia que transparecesse essa minha maneira herética de ser. Segurava o questionamento quando alguém vinha com ‘graças a Deus a mulher se curou do câncer’, porque não pegava bem perguntar por que Deus não evitou o câncer na mulher. Deus já tava ali mesmo – né não? -, o que custava dar um up na mulher e ganhar uns likes da galera?

Percebo hoje que não me mostrava por simples instinto de sobrevivência social, porque os não alinhados como eu eram vítimas de conceitos e preconceitos. Eu levava a vida de boa, trabalhava, estudava, saía com os amigos – tinha amigos! -, namorava, tocava violão, curtia meus discos e livros, mas não gostava de religião, o que, por si só, fazia de mim uma pessoa má. Considerando que estávamos em plena ditadura e eu de quebra não simpatizava nem um pouco com o Ustra, minhas convicções político-religiosas faziam de mim uma espécie de protótipo de pária. Mas tinha orgulho disso.

O tempo passa, o tempo voa, e segui entrando em igreja só para acompanhar o casamento de alguém ou – mais recentemente – tocar em eventos. Não mudei de opinião, em que pese ter tido algumas experiências que me aproximaram de doutrinas interessantes, porque mais próximas da realidade. Passei a ler sobre o espiritismo, por influência do meu então sogro, que era do tipo que matava a cobra e mostrava a cobra morta, ao pregar o bem, a caridade e a solidariedade e praticar isso tudo em seu dia-a-dia. Toda semana promovia a sopa dos pobres, vivia mendigando às empresas de sua cidade donativos para os lascados da região, visitava enfermos, dava passes. Aí, de repente, chegou o Alzheimer e suas consequências o obrigaram ao isolamento. A partir de então teve somente a família por companhia até morrer, porque seus outrora companheiros de centro espírita simplesmente o abandonaram. A religião é feita por pessoas, e essas pessoas macularam seriamente minha ainda tênue admiração pelo espiritismo. Foi aí que Denizard e Chico Xavier foram enviados pra vala comum do descrédito.

As incoerências e contradições se multiplicam nas religiões. De repente aparece aquilo que ficou conhecido como neopentecostalismo, com seus pastores, bispos, apóstolos e assemelhados emergidos dos subterrâneos, vendendo caneta ungida para os crédulos, fazendo fortuna à custa de um povo miserável que jamais leu um livro na vida, ao mesmo tempo em que a galera do Vaticano acoberta os crimes sexuais de seus celibatários assexuados de hábito e crucifixo. Fora do cristianismo tem aquela turma que joga bomba, mete bala e sonha com dezenas de virgens num paraíso idealizado. Dizem que essas barbaridades e promessas estão no livrinho deles, mas eu duvido que não tenha um cretino fazendo as vezes de padre ou pastor para dar a interpretação do texto conforme a necessidade de momento.

Minha ojeriza ganha corpo num momento péssimo, em que uma garota de 10 anos aparece grávida em decorrência de estupros provavelmente frequentes, sofridos desde quatro anos atrás, praticados por um tio cujo nome não é divulgado nem seu rosto conhecido. Em casos da espécie nosso ordenamento jurídico permite a realização de aborto que, de fato, foi realizado, mas paradoxalmente a fúria dos ignóbeis e hipócritas de plantão recai sobre a vítima, tachando-a de assassina y otras cosítas más. Todos com a bíblia nos respectivos sovacos, não reconhecem na criança a condição de vítima de um monstro. Talvez por serem, igualmente, monstros.

Não odeio essa gente, desprezo me parece a palavra mais adequada. Não são de fato totalmente inúteis, apesar de merecidamente desprezíveis, porque ao menos servem de maus exemplos ou, no mínimo, me mostram que estou no bom caminho pelo simples fato de ser o oposto deles.

Publicado em Sem categoria | 5 Comentários

UTOPIA

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

IDIOMA DA PAZ

Já tem muitos anos que defendo a tese de que a música é a raiz da solução de todos os conflitos. Se fosse estudada e levada mais a sério a paz mundial não seria apenas discurso de miss. O segredo está na tolerância: dó é diferente de ré, que é diferente de mi, que não é igual a fá, e assim as notas desfilam mostrando todas as suas diferenças e nenhuma necessidade de mudar para ficarem mais parecidas com as demais. Como se não bastasse a coisa ainda tem os chamados acidentes, os bemóis e sustenidos, que cumprem com louvor a tarefa de complicar o aparente caos. Nem vou falar dos comas, que são subdivisões no meio dessa bagunça que chegou prometendo esculachar os ânimos de qualquer sonhador pacifista.

Na prática, porém, os personagens a que me refiro se juntam de maneira ordeira e pacífica quando resolvem virar música, e aquele balaio de gatos acaba criando o fenômeno de nome harmonia e é responsável por uma Nona de Beethoven, por exemplo.

Parece que de certa maneira essa proposta inata, esse ensinamento contido na música acaba tocando espíritos. Ontem passei boa parte da tarde curtindo peças do já relativamente antigo projeto Playing For Change, que acho uma das coisas mais geniais concebidas no mundo da música popular em tempos globalizados. Admito, porém, que minha porção envergonhadamente masoquista adora ser confrontada com situações que mostram o quão ignorante ou desatualizado eu sou, daí a achar a Orquestra Mundana Refugi e perceber que ainda não tinha vivido foi um pulo.

África, Oriente Médio, Taiwan, Cuba, imagine-se um bando de refugiados dos lugares mais diversos desse mundão, que o acaso cuidou de trazer para terras tupiniquins e juntar com outros tantos brasileiros num ambiente musical de vanguarda. Cada um com sua história e seu talento, seu instrumento que a princípio nos parece esquisito, sua trajetória triste mas que permite um sorriso e um olhar à frente.

Ainda não vi tudo o que há gravado dessa turma, mas já sei que merecem o sucesso que fazem em cada apresentação. Espero em breve vê-los ao vivo, obrigatoriamente em Sampa e num futuro pós-covid.

 

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

DE ARAQUE, MAS HERÓIS

Na minha distante infância eu era fã de luta livre, que os caras da TV achavam mais chique chamar de telecatch. Não estava sozinho: toda minha família e a vizinhança e o país curtiam aquele faz-de-conta bobinho que recentemente me surpreendeu ao se mostrar ainda vivo para o público norte-americano. Ainda bem que Mr. Abravanel persiste sem inventar de trazer pra cá porque… cá pra nós… né?

Mas havia ali um ingrediente que indiretamente fez minha cabeça e a de muitos: a decência, que alguns chamam de ética. Meus ídolos da época eram o Ted Boy Marino, Tigre Paraguaio, Fantomas, não deve ser por acaso que eu não me lembre dos ‘vilões’. O maniqueísmo era evidente e proposital, havia algo de educativo naquela palhaçada dramaticamente mal ensaiada e perfeita no quesito atlético. O bem vencia o mal, sempre, essa era a moral da história ao final de cada luta, entendendo-se por agentes do bem aqueles lutadores que nunca-jamais-em-tempo-algum lançavam mão de meios desonestos para tentar vencer, isso era tarefa dos vilões, que sempre se ferravam.

Então eu cresci, envelheci, e nunca mais curti o bom e velho telecatch. Mas me lembrei dele há alguns dias: ao ver numa postagem em rede social de um amigo tudo aquilo a que chamam fake news, busquei um canto reservado e alertei-o em offA resposta dele me surpreendeu, porque ao invés de aceitar e se corrigir ou, no que imaginei a pior das hipóteses, discordar e argumentar, ele simplesmente me indicou um link que levava a uma publicação criminosamente mentirosa do lado de lá, como que justificando seus atos porque os outros também agem assim.

Foi quando as lições da trupe de Ted Boy Marino me voltaram à mente e se impuseram para me mostrar que não, a rachadinha de lá não justifica uma nota fria aqui. E ponto. 

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

MÃE

Faltavam poucos minutos para as três da tarde quando cheguei no hospital. O cansaço era algo exagerado, não parecia natural, mas considerei que o acúmulo de perrengues por aqueles dias fosse uma boa justificativa.

Encontrei minha mãe de certa forma diferente, sorria com vontade e fugia do hábito de pessimismo em relação à vida. Sorria. Meu cansaço parecia arrefecer frente ao estado de espírito dela. Fiz-lhe um carinho no cocuruto e me sentei na cadeira ao lado de seu leito, como que esperando surgir algum problema que exigisse de mim uma atitude. Iniciamos um papo sobre o passado, assunto preferido dela.

A verdade que ela imprimiu ao longo dos últimos anos levava a uma constatação incômoda: minha mãe não era feliz no presente, o que explicava aquele crônico saudosismo, um passado meio que idealizado na sua tão amada São Paulo, que teve que abandonar em 1975 e de que falava sempre em tom de tristeza e nostalgia. Nunca concordei que fosse uma maravilha aquela cidade que aos meus olhos se destacava mesmo por ser tão feia, mas não corrigi nem retruquei, estava gostoso acompanhar aquela espécie de digressão e seria no mínimo arrogante interrompê-la. Desta feita a narrativa era alegre e as lembranças da vida na Rua Jaguariúna, no Itaim-Bibi, em Osasco, na Moóca e em outros lugares fluíam de forma até divertida e seu espírito aspirava aquela atmosfera benfazeja que lhe trazia as boas lembranças e fazia esquecer um presente francamente rejeitado.

Conforme a noite chegava, dona Esther foi meio que murchando. Seu discurso jovial sobre sua terra deu lugar a comentários impacientes acerca do desconforto da cama e da ‘comida intragável’ do hospital. De repente ela me pergunta se eu estou cansado de aturar o mau humor dela, foi quando eu a abracei e colei meu rosto no dela e disse que estava tudo bem, que em breve ela se recuperaria e voltaríamos para casa, onde a vida voltaria ao normal. 

Ao dizer aquilo me veio certo mal-estar. Talvez por ter tido a consciência de que a tal vida ‘normal’ não era algo a ser por ela comemorado, ou então por intuir que ela jamais sairia viva daquele hospital. 

Algum tempo depois ela me pergunta se aquela camiseta jogada no chão tinha sido esquecida pelo Zezinho. Essa pergunta me assustou muito, porque não havia camiseta alguma no chão e o Zezinho era um dos meus amigos de infância, não o vejo há meio século. Minha mãe optou por se instalar naquela época. Em definitivo. Lá ela era feliz.

A confusão mental dela foi explicada pela queda de potássio e, principalmente, de sódio em seu organismo. A partir de então ela passou a se comportar de uma maneira que eu nunca tinha visto, alternando rebeldia com momentos de primeira infância. 

Entre uma e três da manhã ela dormiu um sono até profundo. Como havia vomitado algumas vezes a minha atenção estava redobrada, felizmente pude contar com a valentia do meu organismo que se recusou a sentir sono aquela noite. Passei um bom tempo olhando seu rosto, observando sua respiração, e um turbilhão de lembranças me passou por cabeça e espírito. Meus olhos marejaram e eu percebi naquele momento que estava perdendo minha mãe, ela estava perdendo aquela briga e parecia não querer mais lutar.

A caminho da casa dos velhos, com minha mãe já encaminhada para a UTI, um emaranhado de notas, pausas e colcheias voltou a povoar minha mente, como a continuação de um processo que vivenciei havia alguns dias e me pôs a dedilhar o volante do carro como se fosse um piano. Eu sabia que meu inconsciente tinha sido despertado para a composição de uma lembrança musicada de minha mãe, faltava botar essas intuições todas para fora. Foi um processo até rápido, alguns dias após o sepultamento dela eu consegui gravar a última nota. Parece que ficou à altura dela, ou pelo menos assim eu espero.

BALADA PARA MINHA MÃE

   

Publicado em Sem categoria | 7 Comentários