UTOPIA

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

IDIOMA DA PAZ

Já tem muitos anos que defendo a tese de que a música é a raiz da solução de todos os conflitos. Se fosse estudada e levada mais a sério a paz mundial não seria apenas discurso de miss. O segredo está na tolerância: dó é diferente de ré, que é diferente de mi, que não é igual a fá, e assim as notas desfilam mostrando todas as suas diferenças e nenhuma necessidade de mudar para ficarem mais parecidas com as demais. Como se não bastasse a coisa ainda tem os chamados acidentes, os bemóis e sustenidos, que cumprem com louvor a tarefa de complicar o aparente caos. Nem vou falar dos comas, que são subdivisões no meio dessa bagunça que chegou prometendo esculachar os ânimos de qualquer sonhador pacifista.

Na prática, porém, os personagens a que me refiro se juntam de maneira ordeira e pacífica quando resolvem virar música, e aquele balaio de gatos acaba criando o fenômeno de nome harmonia e é responsável por uma Nona de Beethoven, por exemplo.

Parece que de certa maneira essa proposta inata, esse ensinamento contido na música acaba tocando espíritos. Ontem passei boa parte da tarde curtindo peças do já relativamente antigo projeto Playing For Change, que acho uma das coisas mais geniais concebidas no mundo da música popular em tempos globalizados. Admito, porém, que minha porção envergonhadamente masoquista adora ser confrontada com situações que mostram o quão ignorante ou desatualizado eu sou, daí a achar a Orquestra Mundana Refugi e perceber que ainda não tinha vivido foi um pulo.

África, Oriente Médio, Taiwan, Cuba, imagine-se um bando de refugiados dos lugares mais diversos desse mundão, que o acaso cuidou de trazer para terras tupiniquins e juntar com outros tantos brasileiros num ambiente musical de vanguarda. Cada um com sua história e seu talento, seu instrumento que a princípio nos parece esquisito, sua trajetória triste mas que permite um sorriso e um olhar à frente.

Ainda não vi tudo o que há gravado dessa turma, mas já sei que merecem o sucesso que fazem em cada apresentação. Espero em breve vê-los ao vivo, obrigatoriamente em Sampa e num futuro pós-covid.

 

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

DE ARAQUE, MAS HERÓIS

Na minha distante infância eu era fã de luta livre, que os caras da TV achavam mais chique chamar de telecatch. Não estava sozinho: toda minha família e a vizinhança e o país curtiam aquele faz-de-conta bobinho que recentemente me surpreendeu ao se mostrar ainda vivo para o público norte-americano. Ainda bem que Mr. Abravanel persiste sem inventar de trazer pra cá porque… cá pra nós… né?

Mas havia ali um ingrediente que indiretamente fez minha cabeça e a de muitos: a decência, que alguns chamam de ética. Meus ídolos da época eram o Ted Boy Marino, Tigre Paraguaio, Fantomas, não deve ser por acaso que eu não me lembre dos ‘vilões’. O maniqueísmo era evidente e proposital, havia algo de educativo naquela palhaçada dramaticamente mal ensaiada e perfeita no quesito atlético. O bem vencia o mal, sempre, essa era a moral da história ao final de cada luta, entendendo-se por agentes do bem aqueles lutadores que nunca-jamais-em-tempo-algum lançavam mão de meios desonestos para tentar vencer, isso era tarefa dos vilões, que sempre se ferravam.

Então eu cresci, envelheci, e nunca mais curti o bom e velho telecatch. Mas me lembrei dele há alguns dias: ao ver numa postagem em rede social de um amigo tudo aquilo a que chamam fake news, busquei um canto reservado e alertei-o em offA resposta dele me surpreendeu, porque ao invés de aceitar e se corrigir ou, no que imaginei a pior das hipóteses, discordar e argumentar, ele simplesmente me indicou um link que levava a uma publicação criminosamente mentirosa do lado de lá, como que justificando seus atos porque os outros também agem assim.

Foi quando as lições da trupe de Ted Boy Marino me voltaram à mente e se impuseram para me mostrar que não, a rachadinha de lá não justifica uma nota fria aqui. E ponto. 

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

MÃE

Faltavam poucos minutos para as três da tarde quando cheguei no hospital. O cansaço era algo exagerado, não parecia natural, mas considerei que o acúmulo de perrengues por aqueles dias fosse uma boa justificativa.

Encontrei minha mãe de certa forma diferente, sorria com vontade e fugia do hábito de pessimismo em relação à vida. Sorria. Meu cansaço parecia arrefecer frente ao estado de espírito dela. Fiz-lhe um carinho no cocuruto e me sentei na cadeira ao lado de seu leito, como que esperando surgir algum problema que exigisse de mim uma atitude. Iniciamos um papo sobre o passado, assunto preferido dela.

A verdade que ela imprimiu ao longo dos últimos anos levava a uma constatação incômoda: minha mãe não era feliz no presente, o que explicava aquele crônico saudosismo, um passado meio que idealizado na sua tão amada São Paulo, que teve que abandonar em 1975 e de que falava sempre em tom de tristeza e nostalgia. Nunca concordei que fosse uma maravilha aquela cidade que aos meus olhos se destacava mesmo por ser tão feia, mas não corrigi nem retruquei, estava gostoso acompanhar aquela espécie de digressão e seria no mínimo arrogante interrompê-la. Desta feita a narrativa era alegre e as lembranças da vida na Rua Jaguariúna, no Itaim-Bibi, em Osasco, na Moóca e em outros lugares fluíam de forma até divertida e seu espírito aspirava aquela atmosfera benfazeja que lhe trazia as boas lembranças e fazia esquecer um presente francamente rejeitado.

Conforme a noite chegava, dona Esther foi meio que murchando. Seu discurso jovial sobre sua terra deu lugar a comentários impacientes acerca do desconforto da cama e da ‘comida intragável’ do hospital. De repente ela me pergunta se eu estou cansado de aturar o mau humor dela, foi quando eu a abracei e colei meu rosto no dela e disse que estava tudo bem, que em breve ela se recuperaria e voltaríamos para casa, onde a vida voltaria ao normal. 

Ao dizer aquilo me veio certo mal-estar. Talvez por ter tido a consciência de que a tal vida ‘normal’ não era algo a ser por ela comemorado, ou então por intuir que ela jamais sairia viva daquele hospital. 

Algum tempo depois ela me pergunta se aquela camiseta jogada no chão tinha sido esquecida pelo Zezinho. Essa pergunta me assustou muito, porque não havia camiseta alguma no chão e o Zezinho era um dos meus amigos de infância, não o vejo há meio século. Minha mãe optou por se instalar naquela época. Em definitivo. Lá ela era feliz.

A confusão mental dela foi explicada pela queda de potássio e, principalmente, de sódio em seu organismo. A partir de então ela passou a se comportar de uma maneira que eu nunca tinha visto, alternando rebeldia com momentos de primeira infância. 

Entre uma e três da manhã ela dormiu um sono até profundo. Como havia vomitado algumas vezes a minha atenção estava redobrada, felizmente pude contar com a valentia do meu organismo que se recusou a sentir sono aquela noite. Passei um bom tempo olhando seu rosto, observando sua respiração, e um turbilhão de lembranças me passou por cabeça e espírito. Meus olhos marejaram e eu percebi naquele momento que estava perdendo minha mãe, ela estava perdendo aquela briga e parecia não querer mais lutar.

A caminho da casa dos velhos, com minha mãe já encaminhada para a UTI, um emaranhado de notas, pausas e colcheias voltou a povoar minha mente, como a continuação de um processo que vivenciei havia alguns dias e me pôs a dedilhar o volante do carro como se fosse um piano. Eu sabia que meu inconsciente tinha sido despertado para a composição de uma lembrança musicada de minha mãe, faltava botar essas intuições todas para fora. Foi um processo até rápido, alguns dias após o sepultamento dela eu consegui gravar a última nota. Parece que ficou à altura dela, ou pelo menos assim eu espero.

BALADA PARA MINHA MÃE

   

Publicado em Sem categoria | 6 Comentários

PARTIDAS E DESPEDIDAS

Minha mãe faleceu dois dias após o jantar em que dividi com meu pai e meu irmão um sabor misto de prazer, nostalgia e medo. O sofrimento a ela imposto não foi excessivo, mas também ficou longe de ser pouca coisa, dadas as circunstâncias. Foram 13 dias de internação num período bem marcante para mim, em especial porque eu passei com ela a última noite antes de ser transferida para a UTI. E que noite!

Quando fui comunicado da internação, até então sem a expectativa de nada grave, peguei a rodovia rumo a Brasília e fiquei um tanto inquieto ao notar o retorno do mesmo estado de espírito que me invadiu nos dias que antecederam a morte de minha filha. Uma espécie de premonição, talvez, o fato é que fui invadido por uma angústia forte e persistente. Em frente ao Hospital Regional da Asa Norte, HRAN, parei o carro numa das muitas vagas improvisadas e sujeitas a multa que há por ali e sabe-se lá por quê demorei um bocado para desligar o motor e sair. Durante alguns minutos fiquei dedilhando o volante como se fosse um piano.

Passei várias noites com ela naquele hospital. Na verdade a jornada se iniciava por volta das 15 horas, quando eu chegava e rendia meu pai que ia todos os dias, e lá permanecia até por volta das 10 horas da manhã seguinte, quando meu velho chegava e eu retornava à base para um merecido banho e algum descanso. Quando conseguia dormir um pouco alguns acordes meio caóticos povoavam meus delírios que estavam longe de constituir sono reparador.

Eu não tinha conhecimento do estrago que a falta de sódio produz na pessoa, o que fez com que as crises de demência experimentadas pela minha mãe me fossem aterradoras. Dona Esther sempre foi muito ativa e lúcida, e ainda assim se mantinha nos seus 83 anos, então a experiência de repetidamente e ao longo de horas tentar demovê-la de abrir gavetas inexistentes ‘para pegar uma blusinha’ ou convencê-la de que o cachorro já tinha sido alimentado (o ‘Pretinho’ faleceu há 20 anos) esgotou minhas energias. Passei a noite em claro, porque ela a todo momento fazia movimentos bruscos tentando se levantar da cama, para fazer caminhada ou varrer o quintal (ela estava convencida de que permanecia em casa), o que forçava os pontos em sua barriga e me obrigava a agarrá-la para tentar evitar uma ruptura. Eu fiquei particularmente assustado ao ver minha mãe daquele jeito, mas o que me incomodou muito foi perceber que estava sentindo pena dela. 

Achei o médico que comandava a equipe que cuidava de dona Esther muito gente boa, me explicou com riqueza de detalhes o que seria feito a partir daquele momento mais grave, o que rolaria na UTI, visitas, medicamentos, procedimentos, sempre demonstrando muito respeito. Questionei o fato de minha mãe ter chegado ao hospital andando e não conseguir mais fazê-lo por si mesma, o que me parecia um paradoxo. Ele me explicou que a cirurgia no intestino foi responsável pelas perdas de minerais importantes e, por consequência, determinante para a decadência por ela sofrida. Também me passou algumas impressões pessoais e deu opiniões baseadas em sua experiência profissional, gostei. Por ele fiquei sabendo que não é incomum gente ‘hospedada’ em hospitais particulares ser transferida para o HRAN e outros hospitais públicos quando o quadro se agrava. Claro que os contribuintes pagam por isso, os hospitais particulares não.

Observei minha mãe sendo conduzida naquela maca com rodas até o elevador em direção à UTI. Por um motivo qualquer eu sabia que não mais a veria com vida.

Publicado em Sem categoria | Com a tag , , | 1 Comentário

COMO NOS VELHOS TEMPOS

Eis que meu pai me telefona com a voz meio chorosa, contando sobre a hemorragia que acometeu minha mãe e a enviou ao hospital. Peguei a estrada para Brasília em coisa de meia hora e em algumas centenas de minutos aportei na capital federal, mais precisamente no estacionamento em frente ao Hospital Regional da Asa Norte, o popular HRAN.

Fui alertado pela médica que a atendeu de que o quadro não era assim tão simples, pois demandava uma pequena cirurgia para retirada de um pólipo intestinal e a realização de uma biópsia, com a imposição de alguns dias de internação até que se recuperasse.

Minha mãe tem 83 anos, meu pai 87. A política do hospital nos permitiria acompanhar nossa velhinha pelas 24 horas do dia, então combinamos, meu irmão e eu, que nos revezaríamos nas incursões pelas madrugadas, deixando para nosso pai a visita diurna, entre as 08 e 15 horas.

Levamos bem a sério a combinação, mas o desenrolar dos fatos resolveu que não cumpriria sua parte. Minha mãe não melhorava seus indicadores, a pressão alternava, passou a apresentar deficiência de potássio e depois de sódio, não conseguia se alimentar e não preenchia, ainda que minimamente, a bolsa de colostomia que havia sido colocada após a cirurgia.

Na quinta-feira 13 de fevereiro, 11 dias após a internação, o médico responsável me procurou para informar que minha mãe teria que ser reencaminhada para o centro cirúrgico e, em seguida, à UTI, porque seus pontos haviam rompido e os exames realizados na véspera denunciavam pneumonia e infecção pulmonar. Logo em seguida meu pai chegou para me render e tomou conhecimento das novas nada boas.

Levantamos acampamento – as circunstâncias nos obrigavam a desocupar o apartamento – para permanecer em casa à espera de novidades. Foi quando a nostalgia se fez presente e me trouxe lembranças de quando nós cinco (minha mãe, meu pai, meu irmão Reginaldo (já falecido), meu irmão Christiano e eu) ousávamos encarar um rango diferente para comemorar algo, compensar momentos de perrengue ou simplesmente agir de forma rebelde contra a dureza crônica que sempre nos caracterizou. Achei que merecíamos e convidei meu irmão e meu pai para um jantar diferente, longe do fogão de casa. Eles toparam mas, devido ao cansaço geral, resolvemos buscar para comer em casa. Então fui apresentado à carne de sol do restaurante Mandaka do pistão sul de Taguatinga, indecente de gostosa, acompanhada de paçoca, mandioca derretida, manteiga do sertão, feijão de corda, vinagrete. Um escândalo.

Foi muito bom observar que o sabor de resgate de um passado não tão remoto nos fez ainda mais cúmplices e nos fortaleceu para enfrentar o que quer que viesse pela frente. Algumas culturas cultivam na gastronomia alguns motes para o bom relacionamento entre iguais, baseadas na crença de que o compartilhar dos prazeres à mesa é base do hedonismo idílico a que devemos todos nos render. A princípio, não discordo. Pelo menos durante aqueles minutos nos sentimos leves, compensados, felizes e momentaneamente livres do medo e da incerteza que nos dominavam quase que completamente naqueles dias.

Os dias vindouros ainda nos seriam bem pesados.

Publicado em Assuntos Gerais, Sem categoria | Com a tag , , | Deixe um comentário

CONVICÇÃO

Meus primeiros momentos na auditoria da Caixa me reservaram um ensinamento em forma de puxão de orelha que carreguei para toda a vida funcional, e mesmo pessoal: “se você está lá para analisar, avaliar, testar, tem a obrigação de ser assertivo e comprovar tudo o que disser”. Isto porque produzi um relatório com a expressão ‘tudo leva a crer’, pegando carona nos hábitos de um colega que adorava colocar ‘fortes indícios’ e assemelhados em seus apontamentos.

A chefia foi clara: “se não tem certeza, não escreva sobre o assunto; mas, se teve a oportunidade de analisar, por que não tem certeza?”.

Meu chefe era conhecido pela alcunha (não sei se carinhosa) de Buffalo Bill. Exigente, honesto e leal, nunca soube contemporizar com malfeitos de seus subordinados, principalmente quando o quesito ética era ferido. Por outro lado, era aquele que apoiava sua tropa até o fim, mesmo nas situações de saia justa. Eu me lembro de na década de ’90 ter telefonado para ele de Cuiabá para informar que havia coisa esquisita na área (no nosso jargão particular, isto era sinônimo de corrupção). Ele perguntou: “você tem disponibilidade para apurar?”, respondi que sim mas informei que a questão poderia envolver ou espirrar numa ‘alta patente’ da matriz, ao que ele respondeu: “mete bronca, a gente escreve assim mesmo”. Assim foi feito, produzi minha coleção de mal traçadas linhas em forma de uma deduragem oficial, que foi por ele encaminhada e deu uma shit dos diabos nos gabinetes palacianos. Na época do Buffalo Bill fazíamos os relatórios sem medo de retaliações, encaminhávamos para a chefia e metíamos a mão no botão do foda-se. Era bom!

Parece que esse cuidado que sou tão grato por ter aprendido e incorporado ao meu modus vivendi não é compartilhado por todos. Li alguns documentos produzidos pela tal Força Tarefa de Curitiba. Além de ter achado que a redação poderia ser melhorzinha, deparei com um sem-número de ‘temos certeza’, ‘salta aos olhos’, ‘temos convicção’. Essas expressões retornaram na nova investida da turma contra os alvos de sempre, Lulinha à frente. Falta substância, talvez uma dose de técnica ou verdade, o fato é que já declararam à imprensa (ah, como gostam da imprensa!) as mesmas certezas que estão longe de constituir provas legalmente aceitas. Diabeísso, pensei. Buffalo Bill pagaria geral nessa turma, ele que vivia nos dizendo nas reuniões: “somos auditores, não pistoleiros; honestidade, senhores!”.

Então, é este o grande desafio: finalmente identificar algum elo entre lé e cré, de forma a dar credibilidade nesse imbróglio que deveria ser jurídico-policial mas se transformou em pistolagem político-midiática.

Permaneço na arquibancada, na cômoda posição de espectador dos próximos capítulos. Mas a tendência de achar que esses meninos mais uma vez vão ficar no achismo é muito grande, até porque um dos procuradores já deu entrevista avisando que “os fatos são bastante complexos”, “ainda não temos provas” e “temos que aguardar o resultado das buscas, amadurecer esta investigação”. Claro que toda investigação tem começo, meio e fim, tem suas fases, paciência e persistência fazem parte, mas a mania desses bravos rapazes – que já se fez presente neste novo episódio – de começar jogando no ventilador e só depois procurar reais evidências é de uma irresponsabilidade mastodôntica. Nesse meio tempo reputações podem ser assassinadas, como já ocorreu. 

Impunemente, diga-se. 

Publicado em Acessibilidade e Cidadania | Com a tag , , | Deixe um comentário

NA ESCOLA

Meu filho estuda num colégio católico, dito confessional. Grande, enorme, muito bem estruturado, milhares de alunos do fundamental ao ensino médio, caro. Este ano a mensalidade ficou próxima de $ 2 mil, que paguei com muito sacrifício e também muitos sorrisos. Tem lá seus problemas como todos os outros, mas suficientemente pequenos para não abalar minha convicção de que vale cada centavo.

O nível de ensino, cobranças e provas é pesado, de vez em quando me pego morrendo de dó do moleque, mas ele demonstra gostar muito e seus livros e redações me convencem de que estamos no melhor dos mundos. Por um motivo principal, que gera os demais: a filosofia de ensino e convívio, bem como a visão de presente e futuro denotam gostoso humanismo.

Lá eles incentivam a camaradagem e a análise crítica, utilizam a figura de seu patrono Marcelino Champagnat para enfatizar as virtudes da generosidade e humildade, demonstram ter feito a opção preferencial pela formação de cidadãos, longe dos ambientes de competição predatória dos colégios que têm como meta principal – e talvez única – colocar seus alunos num curso superior. 

Uma das atividades extracurriculares oferecidas denomina-se HUB e se ocupa de, basicamente, botar a garotada para analisar o mundo em volta. Assuntos como ecologia, política, economia (em especial economia doméstica), cultura popular, educação, saúde, emprego, mazelas sociais brasileiras, racismo e demais preconceitos são objeto de discussão e análise. Essa atividade já levou os alunos a visitar e entender o funcionamento de uma estação de tratamento de água e esgoto, colocou-os frente a frente com um diretor da CEASA para tratar do desperdício diário e crônico de alimentos, apresentou-lhes uma escola pública e uma entidade de acolhimento de menores. Ao final do período determinado para a atividade, os pais e responsáveis são convidados a assistir a apresentação do resultado, que pode ter a forma de música, teatro, jogral ou um pouco de cada. 

Anteontem estive lá. Lucas e sua turma transportaram para a linguagem teatral a questão da (ausência de) acessibilidade no cotidiano das cidades, outros grupos trataram das desigualdades sociais e conflitos decorrentes, além de questões mais específicas, como a convivência crescente com imigrantes. Como convidados especiais, apresentaram três imigrantes haitianos, que contaram parte de sua história. 

Eu nunca saio do mesmo tamanho desse tipo de apresentação. Primeiro porque percebo que, por insistir em subestimar essa molecada, sempre tenho o espírito lavado pelo conhecimento que não sabia que eles detinham e pela consciência que duvidava haver naquele nível, considerando que a maioria esmagadora ali pertence à classe média alta. Também porque é sempre uma aula de empatia e cidadania, lembrando que, até onde observo, não há o menor sinal de censura aos assuntos eleitos ou às opiniões e forma de abordagem.

Ao final do ‘espetáculo’, cumprimento uma professora querida e papo vai, papo vem, chegamos à mesma pergunta sem resposta: como seria a reação da ‘plateia’ se os garotos abordassem a questão da fome no país (como fizeram na apresentação) perante os tradicionais patetas defensores da tal escola sem partido?

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

SÓ PARA OS COMUNS DELES

O título é meio estranho, mas explico: tenho um vizinho de muitos anos que já morou nos States e há coisa de um ano ou dois foi-se para a Inglaterra trabalhar. Diz que não compensa trabalhar no Brasil, então deixou a família por aqui e foi se aventurar na terra da rainha.

Há três semanas eis que o encontro no empório do bairro. Papo vai, papo vem, pergunto se voltou por obra do Brexit e ele diz que não, só veio ver a família e pretende retornar ano que vem. Como eu estava meio apressado, comentei que tinha ido comprar uns chocolates e biscoitos para o Lucas se divertir durante o ENEM e precisava voltar logo pra casa. Foi quando começou o febeapá em versão não divertida, porque o cidadão parece ter voltado atacadão da Europa. 

“Pois é, se o Bolsonaro for fazer o ENEM com o Lula e a Dilma, termina a prova uma hora antes de eles começarem, e ainda assim vão roubar o gabarito”. Estranhei a gratuidade do comentário, o assunto era a série B do campeonato brasileiro, mas a metralhadora estava disparada: “O Wagner Moura, aquele comunista, tá morando em Los Angeles, logo ele que é comunista e detesta americano, tinha que ter ido pra Cuba”. Lembrei a ele que o ator e diretor brasileiro tinha sido convidado por um produtor a trabalhar por lá e não foi a primeira vez (detesta americano, onde você leu isso?), o que significa que ele é bom no que faz e motivo de orgulho para nós, já que direta ou indiretamente ele vai promover nossa cultura.

Pra quê! “Cultura é coisa de vagabundo, comunista, esse povo só quer mamar na Lei Rouanet, trabalhar que é bom, neca!”. A boca do cara ruminava um misto de baba e ódio, fiquei impressionado.

Avaliei os prós e contras, a balança não ficou muito equilibrada mas resolvi arriscar a pergunta mesmo assim: o que você entende por comunismo? “Comunismo é (sic) aqueles caras que só fazem as coisas para os comuns deles.” Então tá.

Claro que naquele momento o bom senso me implorava para ir embora, mas antes sugeri a ele que não voltasse para Londres, afinal o momento é bem propício ao combate ao comunismo e à vagabundagem no nosso país que agora voltou aos trilhos, e ele poderia se tornar um soldado essencial. Parece que ele não entendeu a ironia e se despediu com um sorriso.

Cheguei em casa meio esbaforido, meio estarrecido. Botei o Lucas e a namorada no carro e zarpamos para a universidade onde fariam as provas. 

Não pude deixar de comemorar intimamente o fato de que meu filho é estudioso.  

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

O DEVIDO PROCESSO

Os três ou quatro últimos anos de minha carreira profissional como auditor da Caixa me deram a oportunidade de experimentar a arte da inquirição. Alguns a chamavam de inquisição, não discordo. Fato é que me foi dado presidir comissões de apuração de responsabilidade, o popular inquérito administrativo, o que me colocava numa posição de autoridade pela qual nunca me apaixonei.

As regras eram bem claras, pautadas nos normativos internos e, em especial, no Direito Administrativo. A gente frequentemente esbarrava também no Direito Civil e o desenrolar das ações nos levava a supor o que rolaria no âmbito penal. Claro que isso tudo exigia estudo, sempre gostei do assunto e isto ressuscitou uma velha cisma: por que diabos eu jamais estudei Direito?

Havia também normas comportamentais, além de outras tantas de caráter subjetivo, às quais eu me subordinava a fim de atingir o principal objetivo do trabalho, que não colocava em primeiro plano a satisfação do chefe ou da opinião em volta. Eu queria mesmo era não cometer injustiças.

Então, o trabalho consistia na apuração de fatos irregulares que foram observados, denunciados ou confessados, cabendo à comissão colher provas documentais e testemunhais, reduzir a termo os depoimentos necessários e finalizar a fase apuratória com a emissão de um relatório conclusivo. 

Eu diria que o normativo interno que disciplinava, à época, o trabalho de apuração de responsabilidade tinha o espírito de garantir ao acusado o direito à ampla defesa, o que se materializava no direito assegurado de acompanhar as oitivas de testemunhas e ao final formular perguntas via presidente da comissão. Podia, também, dar vistas ao processo e solicitar cópias de documentos sempre que achasse conveniente. Ao observar tais normas e por também demonstrar respeito ao colega acusado, os processos que presidi foram objeto de poucas interpelações e críticas do departamento jurídico.

As normas recomendavam, também, colher o depoimento do colega acusado sempre por último, com vistas a garantir que sua manifestação fosse realizada numa situação de pleno conhecimento de tudo o que foi dito por terceiros acerca dos fatos investigados.

Esta última recomendação sempre me soou meio redundante, já que eu entendia que quem enfrenta um processo da espécie tem que saber exatamente contra o que se defende.

Minha atuação nesse microcosmo me levou a achar bizarra a posição de alguns ministros do STF, ao entenderem que não há prejuízo numa acusação pós alegações finais da defesa.

Será que chegaram a ler o artigo 5º da nossa Constituição?

Publicado em Acessibilidade e Cidadania | Com a tag , , | Deixe um comentário